Advogada perde R$ 14 mil em golpe de casal de 'construtores'; dupla fez várias vítimas

Suspeito nega que seja criminoso e que iria devolver os valores ''quando puder''

Cb image default

O sonho da advogada Rosana Duraes dos Santos, 58 anos, de reformar a nova casa, foi por água abaixo, em Campo Grande. Ela foi vítima de um golpe, aplicado por um casal de construtores e perdeu R$ 14 mil. Agora, faz um alerta para que outras pessoas não caiam na lábia dos criminosos.

O drama de Durães começou no início de março, quando ela comprou um imóvel e precisava reformar. A indicação do suspeito veio pela internet e também de um depósito de materiais de construção.

A advogada relata que o suspeito e a mulher se apresentaram como ''Marido e Esposa de Aluguel''. Eles disseram que são de Curitiba - PR, e que estavam na Capital há cerca de um ano. Um contrato de R$ 20 mil foi celebrado entre as partes, no nome da esposa do ‘’profissional’’.

Rapidamente, o homem fez algumas preparações para as obras, o que causou uma boa impressão para a cliente. No entanto, não passou disso.

‘’Ele tem um papo maravilhoso e me prometeu uma coisa espetacular. Mas depois, ficou no ‘eu vou hoje’... ‘vou amanhã’, e nunca foi’’, lamentou a defensora.

Depois de vários adiamentos, Rosana passou a duvidar do construtor e teve certeza quando viu uma foto postada por ele sobre um serviço em outra casa. Com a ajuda da filha, descobriu que o local do imóvel e viu que uma senhora humilde também havia sido lesada pelo golpista. Na sequência, mais duas vítimas apareceram.

Em 29 de março, a advogada procurou a polícia e registrou queixa. Depois, descobriu que o suspeito tem longa ficha criminal, por estelionato, inclusive tendo participado de um motim em um presídio.

Rosana destaca o perigo que correu ao lidar diretamente com o suspeito.

‘’Ele estava todo dia comigo na obra. Chegou a ir comigo na Leroy Merlin’’, observa a profissional. Ela já acionou a Justiça para tentar bloquear os valores da conta da mulher do suspeito, que teria envolvimento direto no crime.

Apesar de não ir mais na obra, o suspeito respondia os questionamentos por meio do WhatsApp. Porém, ao ser cobrado, ameaçou bloquear a cliente.

''Para de ligar, se não não consigo fazer nada. Me dá um tempo'', disse o construtor. O drama das outras vítimas serão tratados em uma outra reportagem.

O que diz o acusado

Achado em um dos vários telefones que divulga, primeiro o homem disse que não cometeu crime e tem todas as provas. Ele ressaltou que não poderia falar por ligação comum ''de jeito nenhum'', somente por WhatsApp.

O construtor reconhece que não concluiu as obras e alegou problemas pessoais, sendo um a separação da mulher. Ele disse que tentou acordo com a advogada, mas que esta passou a lhe ofender nas redes sociais, o que o irritou.

Questionado se iria devolver os valores, o suspeito disse que, para que isso ocorresse, as cobranças e ofensas contra ele deveriam parar. Também apontou que um advogado está fazendo o cálculo dos valores, mas não citou o nome do profissional. Sobre as passagens policiais, ela admitiu um crime de furto, mas que ''já pagou tudo certinho''. Via TopMidiaNews

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.